De Heus firma parceria com Fundação Black Jaguar para ajudar na criação do corredor de biodiversidade do Araguaia

Em 17 de agosto, os CEO’s da De Heus Nutrição Animal, Co e Koen De Heus, assinaram uma parceria global de longo prazo com a Fundação Black Jaguar para apoiar seus esforços no fortalecimento do maior de todos os corredores de natureza do mundo e um dos maiores projetos de reflorestamento da América do Sul. O Corredor de Biodiversidade do Araguaia, no centro do Brasil, terá extensão total de 2.600 quilômetros e largura de até 40 quilômetros, distribuídos ao longo das margens de todo o Rio Araguaia e de parte do Rio Tocantins, conectando dois dos mais importantes ecossistemas do mundo: a floresta Amazônica e o Cerrado.

Para apoiar a Fundação Black Jaguar em sua missão de plantar 10 milhões de árvores até 2025 para ajudar a proteger e aumentar a biodiversidade no corredor entre a floresta Amazônica e o Cerrado, a De Heus fará, de forma global, uma contribuição anual para este projeto. Esta contribuição está alinhada com os Objetivos Globais de Sustentabilidade da empresa – quatro ambições que mostram o compromisso em lidar com algumas das questões de sustentabilidade associadas à indústria de alimentos e à produção de proteínas animais.

Uma das questões ligadas à produção pecuária é a mudança do uso do solo associada à produção de matérias-primas utilizadas na alimentação animal. Portanto, a De Heus se comprometeu com o uso de soja certificada (em conformidade com as Diretrizes de Fornecimento de Soja da Fefac) em todas as suas unidades de negócios até 2025. Além disso, a De Heus decidiu apoiar a Fundação Black Jaguar em sua missão de prevenir a perda de valiosos ecossistemas naturais e proteger a biodiversidade.

A maior parte da contribuição deste ano será utilizada para a construção de um viveiro de árvores em grande escala em Santana do Araguaia, onde aproximadamente 500.000 novas árvores serão cultivadas a cada ano antes que possam ser replantadas em um dos locais de reflorestamento. Outro investimento será para implantar a iniciativa de coleta de sementes – onde pessoas de comunidades locais e indígenas serão treinadas para ajudar na coleta de sementes de árvores nativas – e no treinamento e capacitação da brigada de incêndio em Santana do Araguaia, para ajudar no combate e prevenção de incêndios florestais. A partir do próximo ano, a contribuição da De Heus será usada para cobrir parte da manutenção operacional do viveiro e plantio de centenas de milhares de árvores nativas no Corredor de Biodiversidade do Araguaia.

Koen de Heus, CEO da De Heus Nutrição Animal: “Fornecer um melhor acesso a alimentos seguros e saudáveis para uma crescente população é um dos maiores desafios que o mundo enfrenta hoje. Ao mesmo tempo, precisamos reduzir o impacto que os nossos sistemas de produção de alimentos têm sobre os ecossistemas vulneráveis. Para alcançar ambos os objetivos, precisamos produzir alimentos de forma mais eficiente para evitar mudanças excessivas no uso da terra em um futuro próximo. Só podemos alcançar isso quando tratamos os produtores como aliados ao enfrentar esses desafios. Isso é o que admiramos na Fundação Black Jaguar: o trabalho em conjunto com os produtores na criação do Corredor da Biodiversidade do Araguaia.

“Por meio da nossa parceria, podemos mostrar ao Brasil e ao mundo que a produção de alimentos, a restauração e a proteção da biodiversidade podem se fortalecer. Acreditamos que todos temos o poder de mudar e fazer a diferença para as gerações futuras. É por isso que estamos orgulhosos pelo fato da De Heus ter abraçado esta missão conosco” diz Ben Valks, fundador da Fundação Black Jaguar.

De Heus  – Empresa Parceira da DFSuin

Organização internacional de origem holandesa, com posição de liderança na indústria de nutrição animal, desenvolvendo todos os grupos de produtos nutricionais – de premixes e núcleos a concentrados e rações completas.

Fundada em 1911, a Royal De Heus acumula experiência de mais de 100 anos, está presente em mais de 20 países, possui mais de 80 unidades fabris, distribuição de produtos em 75 países e emprega 8 mil colaboradores. Sempre à frente com tecnologias inovadoras e de sucesso entre os produtores, atualmente é considerada uma das 11 principais empresas de alimentação animal no mundo.

No Brasil, possui seis unidades industriais: Rio Claro/SP (2), Apucarana/PR, Toledo/PR, Guararapes/SP e Itaberaí/GO; uma unidade administrativa em Campinas/SP e dois centros de distribuição, em Caruaru/PE e Contagem/MG.

Fonte: Ascom De Heus

DFSuin realiza palestra técnica sobre atualizações da normativa de Bem-Estar Animal

A ação é voltada para produtores, profissionais de granjas e frigoríficos, sendo realizada por meio do  Fundo Nacional de Desenvolvimento da Suinocultura (FNDS)

Com o propósito de trazer atualizações sobre a normativa de Bem-Estar Animal, a Associação de Criadores de Suínos do DF (DFSuin), com o apoio da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), promoveu na última quinta-feira (05), palestra a respeito da Instrução Normativa 113, que estabelece padrões de boas práticas de manejo e bem-estar animal na suinocultura, visando compartilhar informações e preparar os produtores para as mudanças previstas na norma.

Segundo a ABCS, a IN está em vigor desde fevereiro de 2021, mas apesar de existirem prazos distintos para adequação aos parâmetros estabelecidos, é essencial manter o diálogo aberto, tanto para elucidar a norma quanto para reforçar a importância de sua implementação.

A palestra técnica irá percorrer diversos estados e é conduzida pelo médico veterinário, Iuri Machado, que trouxe informações focado nos itens considerados na publicação a respeito do manejo e instalações, prazos estabelecidos para cada item, além de abordar o que o varejo brasileiro tem colocado como parâmetro para os fornecedores de carne suína.

Para a diretora técnica da ABCS, Charli Ludtke, o grande benefício desta normativa para a suinocultura é reduzir os fatores estressantes para os animais, contribuindo assim para melhor saúde do rebanho e dos índices de produtividade nas granjas. “Além de também aprimorar o setor em relação a segurança do alimento, alimentação animal, uso prudente de antibióticos e trazer segurança jurídica. A norma vem para somar e tornar o bem-estar animal uma realidade diária nas granjas brasileiras”, destaca.

 

Fonte: DFSuin com informações da ABCS