Curso de cortes suínos capacita mais de 80 profissionais da agroindústria e varejo

No segundo semestre, a Associação e o Sindicato com o apoio da ABCS, realizaram seis treinamentos práticos em cortes suínos para 86 colaboradores do frigorífico associado Ki- Delícia e das redes Big Box e Atacadão Dia a Dia.

A ação teve o intuito de sensibilizar esses profissionais sobre as diversas possibilidades de se trabalhar com a carne suína, desde a estrutura da carcaça até os cortes e suas variações, o que representa uma oportunidade para intensificar as vendas da proteína e melhorar a apresentação do produto nas gôndolas, de forma que atenda às exigências do público consumidor.

Ministrado pelo mestre açougueiro, Marcos Bisinella, o curso é complementado com material didático produzido pela ABCS – “Manual Brasileiro de Cortes suínos”.

Sérgio da Silva, gerente de perecíveis do Atacadão Dia a Dia, ressalta a importância do treinamento para os colaboradores do setor de açougue. “Vínhamos trabalhando só com cortes inteiros, misturando osso e toucinho, a partir desse treinamento iremos diversificar com vários cortes que existem na carne suína, e assim apresentar para os nossos clientes um produto de valor agregado”.

Fonte: Ascom DFSuin

Seminário Mercado Globalizado capacita setor suinícola do DF

Realizado pela DFSuin em parceria com a ABCS, o treinamento debateu temas relevantes e atuais para a gestão nas propriedades rurais

Cerca de 50 suinocultores, profissionais do setor e estudantes estiveram reunidos no auditório da COOPA-DF (PAD-DF), na última sexta-feira (08), para o Seminário Mercado Globalizado. O evento realizado pela DFSuin e pela ABCS, debateu sobre as oportunidades em relação a sustentabilidade, bem-estar animal e qualidade da ração em fábricas próprias, temas desenvolvidos nas novas cartilhas técnicas da ABCS e considerados relevantes para o futuro da suinocultura brasileira.

O ciclo de palestras iniciou com o  médico veterinário Iuri Machado, que discorreu sobre a gestão na suinocultura com foco na sustentabilidade, abordando três pontos principais: O primeiro, relacionado às estratégias na compra de insumos, eficiência nos processos e controle econômico/financeiro do negócio. No segundo ponto, foram descritos os itens relativos à biosseguridade de maior impacto na produção e na manutenção da saúde do rebanho. Por fim, o terceiro ponto, referiu-se às formas mais racionais e ambientalmente corretas de destinação de dejetos e cadáveres.

Em seguida, o palestrante elencou os desafios e oportunidades na aplicação das boas práticas nas fábricas de rações próprias, explicando os equipamentos básicos de uma fábrica de ração, requisitos higiênico-sanitários dos equipamentos e utensílios, cuidados no armazenamento dos produtos, controle de resíduos para evitar proliferação de pragas nas fábricas de rações, bem como o uso prudente de antibióticos.

“Os impactos da fábrica de rações no custo do suíno, frente a atual legislação do MAPA são de suma importância para entender os desafios e oportunidades na aplicação das boas práticas nas fábricas de rações próprias”, frisou.

A terceira palestra foi ministrada pela diretora técnica da ABCS, Charli Ludtke, que falou sobre bem-estar na suinocultura e a aplicabilidade das boas práticas nos diferentes elos da cadeia de suínos, diante das mudanças no cenário da produção. Para ela, em prol de uma gestão de qualidade, os integrantes do setor suinícola precisam estar atualizados sobre as principais questões em discussão em suas atividades. “A suinocultura precisa trabalhar para a harmonia entre meio ambiente, produção e o social. É possível produzir e abater corretamente num sistema de produção responsável”, afirmou.

No encerramento, Ludtke apresentou um panorama dos surtos de peste suína africana na Ásia e informações da peste suína clássica no Brasil.

As cartilhas técnicas distribuídas durante o seminário foram publicadas também online no site da ABCS, no link: http://www.abcs.org.br/materiais-abcs